Publicidade

Faça já! > Resolva
Revestir com brilho

Texto: Fernanda Emerick / Fotos: Divulgação

 

O uso do porcelanato é fator comum entre aqueles que procuram um revestimento de fácil limpeza e manutenção, sem esquecer do charme que traz aos ambientes. Garantia de estética e bom custo-benefício, ele é aplicado por profissionais especializados e tem estilos diferentes, que apresentam superfícies variadas. “Há uma infinidade de modelos de porcelanato imitando vários materiais, tais como mármore, madeira, pisos cimentícios, tijolos e pedras. A verdade é que a indústria melhorou muito e a qualidade dos revestimentos fez que estas ‘cópias’ se tornassem bem mais verossímeis”, comenta o arquiteto Gustavo Calazans.

 

 

R$ 50 a R$ 70 o m² É O CUSTO médio para a aplicação do porcelanato. Isso inclui mão de obra, argamassa e rejunte.
R$ 20 o m² É O VALOR inicial para porcelanatos esmaltados. Os preços variam de acordo com o fabricante e o modelo.
3 a 5 m² É A METRAGEM de aplicação média diária do porcelanato. Peças grandes podem ser colocadas mais rapidamente, embora a quantidade de recortes tenha influência no prazo.
1 mm É O TAMANHO da junta mínima do porcelanato, que pode variar até 3 mm de empresa para empresa. Siga a espessura indicada pelo fabricante, para que a peça não perca a garantia.
R$ 49,35 o m² É O PREÇO do modelo concreto branco, cinza e bege no formato 53 x 53 cm. No caso da peça que imita travertino branco, formato 53 x 53 cm, o custo é de R$ 49,35 o m². Ambos da Villagres.

 

Mão de obra
O ideal é contratar mão de obra especializada, como um bom colocador de azulejo (azulejista). Para dar início ao processo, são necessários argamassa de colocação, rejunte, porcelanato e equipamentos do aplicador, como uma serra para fazer recortes.”O método de assentamento envolve a escolha de materiais, definição e espessura das juntas estruturais e de movimentação; preparo da base, execução do contrapiso e aplicação do revestimento e das juntas”, completa Edvaldo Gomes Machado, assistente técnico da Villagres. 

 

Tipos de porcelanato
O que pode fazer a diferença em um porcenalato é o acabamento de sua superfície. “Em geral, a composição é muito parecida e muda apenas quando há a aplicação de alguma camada superficial, que vai alterar a característica estética do produto”, explica Gustavo Calazans. Esse é o caso dos esmaltados ou glossy, que têm aplicação de uma película de vidro líquido.
Conheça os principais estilos:
• Polidos: Opções que imitam mármore ou granito, por exemplo. As peças recebem polimento e ficam com um grau elevado de brilho.
• Acetinados: São os casos que têm o polimento interrompido no meio.
• Rústicos: Eles não são polidos e têm uma maior abrasividade, sendo mais indicados para áreas externas ou muito molhadas – locais com risco de escorregões.
• Esmaltados: Aqueles com aplicação de esmalte sobre a superfície polida.
• Glossy: Com essa aplicação, é colocada uma camada de vidro líquido. O resultado tem um efeito muito mais brilhante e liso.
• Técnico: Possui alta resistência mecânica e não recebe esmalte na superfície.

 

Vantagens: alta durabilidade, é retificado (cortado numa máquina industrial, o que garante peças ortogonais e retinhas), possui massa densa e mais dura que a das cerâmicas convencionais, é mais resistente, menos poroso, de fácil limpeza e manutenção e tem grande variedade de desenhos.
Desvantagens: além da homogeneidade, tem o aspecto muitas vezes industrial, o que pode diferenciá-lo das cerâmicas mais rústicas, que têm um charme muitas vezes difícil de ser atingido pelos porcelanatos.

 

Conservação e limpeza
A recomendação é usar detergente neutro. Produtos químicos podem ter consequências abrasivas e alterar a superfície do revestimento. “Evite, também, arrastar mobília e tenha sempre capachos nas entradas”, indica Edvaldo. Após executar os procedimentos, passe somente água e seque o piso. “Caso ainda permaneça sujeira impregnada sobre o produto, deixe a solução de detergente e água agir sobre o piso por alguns minutos e depois esfregue com escova ou vassoura de cerdas macias. Não utilize palhas de aço ou produtos similares. Enxague bem somente com água e seque com pano limpo”, recomenda o departamento técnico da fabricante Portobello.

 

Compra e desperdício
Os porcelanatos são vendidos por m², entretanto, ao adquiri-los, é importante saber a paginação que fará no seu piso e contar a quantidade de peças necessárias. Além disso, procurar uma dimensão de porcelanato que funcione adequadamente para o seu ambiente evita cortes que gerem desperdício.

 

Onde e como usar?
A maior restrição técnica ao uso de tipos de porcelanato está relacionada à utilização de esmaltados ou polidos em áreas molhadas ou externas – uma vez que há grande risco de acidentes. De resto, as restrições serão mais estéticas do que técnicas. O revestimento é um dos mais maleáveis materiais de construção, e pode ser aplicado em todos os ambientes da casa, no escritório, e em grandes projetos – não apenas no piso. “No entanto, dentro da tipologia dos porcelanatos, alguns têm usos específicos, como os do tipo ‘deque’, feitos para áreas externas, e os de alto tráfego (para shoppings, por exemplo). Há ainda os monoporosos, que devem ser aplicados apenas em paredes, devido à sua menor resistência”, enumera o departamento técnico da Portobello.

 

* Preços pesquisados em agosto de 2013, sujeitos a alterações.

Fechar
Mostre o seu espaço, receba a nossa Newsletter semanalmente e participe de concursos! Faça parte de nosso portal, cadastre-se!

As melhores revistas de decoração do Brasil!

Está lindo! Parabéns! Se precisar de um antes e depois, meu apto é perfeito, pois é todo improvisado. Abraços!

Kelly Nagaoka, São Paulo - São Paulo, via Orkut
Editora Online